Estado

Secretário defende a profissionalização da gestão da Saúde

Por em 10 de janeiro de 2019 às 10:57:27

Em mais uma oportunidade de apresentar os desafios da gestão da Saúde estadual, o secretário Cipriano Maia concedeu entrevista à TV Tropical, na manhã desta quinta-feira, 10. Questionado sobre a situação atual da Pasta, o gestor explicou a necessidade de profissionalização da gestão e racionalização dos recursos públicos.

“Temos uma situação crítica, com valores estimados em restos a pagar de R$ 346 milhões de reais, somados os orçamentos dos últimos três anos, além de uma crise assitencial instalada que persiste ao longo dos anos, seja nos corredores dos hospitais, nas filas por exames, cirurgias, dificuldades em assegurar leitos de UTI para a população, toda uma herança que é muito pesada e repercute na vida das pessoas.”

Para o secretário, a contração do orçamento de 2019 em relação a anos anteriores será um grande entrave. “Tivemos em 2017 e 2018 aportes extraordinários de recursos federais, que não foram mantidos, o que significa uma contração do orçamento de R$ 1.930 milhão para R$ 1,5 milhão do orçamento que foi votado, isso dá a dimensão da crise e vai exigir da nossa parte tanto a busca de parceria com os municípios para captar novos recursos federais como também a racionalização dos recursos existentes, dando maior profissionalização à gestão.”

Sobre o abastecimento das unidades hospitalares do Estado, Cipriano Maia reafirmou a necessidade de profissionalizar a gestão. “Temos muitos contratos que não foram mantidos, não foram renovados com antecipação, por exemplo, o SAMU, cujo contrato vence hoje e está com o processo licitatório atrasado, são várias situações que mostram uma falta de planejamento de gestão para que os serviços tenham continuidade, e nós estamos tentando fazer ajustes e tomar medidas emergenciais para não paralisar os serviços e para qualificar a atenção com os recursos que temos”.

Policlínicas serão instrumento para a Regionalização da Saúde

Cipriano Maia voltou a defender a proposta de implantação das policlínicas regionais, instrumento que possibilitará o fortalecimento das Regiões de Saúde e o incremento do processo de regionalização da Saúde.

“As policlínicas são uma proposta de qualificar a atenção de média complexidade ambulatorial. Temos às vezes uma atenção básica que consegue ter uma cobertura satisfatória, o acesso à alta complexidade, mas o acesso à média complexidade, que é a atenção ambulatorial especializada com apoio diagnóstico e terapêutico é insuficiente e faz com que as pessoas migrem para Natal e Mossoró. O Ceará encontrou um modelo com recursos do Banco Mundial e a experiência de lá é a nossa referência. A ideia é termos uma policlínica em cada Região, com regulação, com transporte sanitário, em parceria com os municípios e tendo o consórcio público como o gestor desses serviços”. Segundo Cipriano Maia, as policlínicas são uma proposta do Governo para implantação a partir da recuperação fiscal do Estado.

O secretário explicou que a regionalização da Saúde começa na atenção básica, “apoiando os municípios para que a atenção básica seja mais resolutiva e qualificada, e isso vai se fazer apoiando a educação permanente dos profissionais, fornecendo apoio técnico, viabilizando parcerias para que a atenção básica possa ter mais recursos e apoio aos profisisonais”, disse.

“Vamos trabalhar também a organização das redes de atenção das regiões com regulação e o grande instrumento será o consórcio público onde a gente conseguirá reunir recursos estaduais com recursos dos municípios e aporte federal, e com uma gestão mais profissionalizada podermos fazer a gestão não só dos hospitais regionais, e dar resposta às demandas de urgência, de clínica, de cirurgias mais básicas, como também o apoio ao diganóstico”. Ele explicou que o consórcio gerenciará também outros serviços de âmbito regional, como o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) e as policlínicas”.

Imprimir
TAGS

DEIXE UM COMENTÁRIO

16 − quatro =