Categoria Navegação

Direito


VIEW POST

View more
Direito

Aldo Medeiros anuncia apoio a pré-candidata Vânia Furtado para a Subseção Mossoró

Por em 28 de agosto de 2021 às 11:32:19

Cumprindo agenda na cidade de Mossoró, o primeiro encontro do presidente da OAB do Rio Grande do Norte e pré-candidato à reeleição Aldo Medeiros, foi com a advogada e professora Vânia Furtado, em seu escritório, a quem fez oficialmente o anúncio de apoio a pré-candidatura a presidente da OAB Subseção Mossoró.

“Estamos acompanhando todas as movimentações dessa pré-campanha em Mossoró e nos impressiona a receptividade do nome da advogada e professora Vânia Furtado”, pontuou Aldo Medeiros.

Ele ainda ressaltou que “os propósitos de Vânia para a Subseção Mossoró estão em acordo com os projetos que imaginamos para a OAB estadual. O fortalecimento institucional e a defesa da advocacia é nossa pauta comum”, disse Aldo Medeiros.

Ainda segundo Aldo Medeiros, o anúncio do apoio representa o sentimento da advocacia de Mossoró e Região, “que já demonstram ter encontrado em Vânia uma pessoa que sabe ouvir e entender o sentimento da advocacia. Além de seu carisma é agregadora e sabe administrar e liderar”, observou.

A pré-candidata Vânia Furtado disse que esse momento é importante por representar o compromisso com a advocacia “para somar e seguir adiante com espírito de união pela Ordem, em defesa da nossa classe. Fico feliz por esse apoio oficial de Aldo Medeiros e reafirmo que caminharemos alinhados para uma Ordem democrática, com pluralidade de pensamento e união da classe”, afirmou Vânia Furtado.

Ainda segundo Vânia Furtado, seu compromisso também assumido em apoiar à reeleição de Aldo Medeiros é por entender e ter convicção de que o trabalho iniciado por ele em favor da advocacia do RN continuará avançando “para o fortalecimento institucional e a defesa de todos advogados e advogadas”.

Ela destacou ainda que a Ordem precisa melhorar “o que vem dando certo, abrir novos caminhos de conquistas e aproximar a nossa classe para que unida seja mais forte e recebendo o apoio do presidente Aldo Medeiros para a nossa pré-candidatura na OAB-Mossoró”.



VIEW POST

View more
Direito

Pedido de impeachment de juiz tem ‘roupagem de ameaça’, critica Fux

Por em 26 de agosto de 2021 às 13:05:57

Presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), o ministro Luiz Fux deu uma resposta contundente nesta quinta-feira (26) à tentativa do presidente Jair Bolsonaro de retirar da Suprema Corte o ministro Alexandre de Moraes, plano já frustrado pela rejeição do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), ao pedido de impeachment.

Fux afirmou que os juízes não devem ter "medo de decidir" e portanto precisam ter sua independência preservada. Do contrário, o País ficaria sob pena de uma "ditadura sectária inadmissível numa democracia". Para Fux, um pedido de impeachment nesse cenário tem "roupagem de ameaça".

"A democracia está consolidada e ela não admite que juízes trabalhem sobre o páreo de pena de sofrer impeachment. O impeachment é um remédio extremo", afirmou Fux durante participação em evento promovido pela XP Investimentos.

"Juiz não pode decidir com uma espada de Dâmocles na cabeça. Não é possível que numa democracia as decisões judiciais sejam criminalizadas", afirmou o presidente da Corte.



VIEW POST

View more
Direito

OAB diz que fará parecer contrário ao pedido de impeachment de Alexandre

Por em 23 de agosto de 2021 às 12:19:37

O presidente da OAB, Felipe Santa Cruz, anunciou que a entidade vai elaborar parecer contrário ao pedido de impeachment do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes feito pelo Planalto, ao qual se referiu como "iniciativa sem qualquer fundamentação jurídica".

"O pedido de impeachment apresentado pelo presidente contra o ministro Alexandre de Moraes, iniciativa sem qualquer fundamentação jurídica, reveste-se do repugnante intuito de criminalizar o Poder Judiciário", escreveu em sua conta do Twitter o jurista.

No documento apresentado ao Senado, o presidente Jair Bolsonaro atribui crime de responsabilidade ao magistrado pelo inquérito das fake news, no qual teria atuado como "censor da liberdade de expressão ao interditar o debate de ideias e o respeito à diversidade".

O texto ainda pede o afastamento de Moraes de cargos públicos pelo período de oito anos.


Publicidade